O fim da sala de aula

Nos dias de hoje, as escolas prometem educação inovadora com aulas em laboratórios novos e materiais que interagem com os alunos. Mas a verdade é que ainda vivemos no sistema criado no século 19, onde os alunos são sufocados por inúmeras matérias das quais ele passam o ano letivo se perguntando: “Para que vou aprender isso?”. Isso está começando a mudar agora.

Com o avanço de plataformas de ensino adaptativo, as metodologias de ensinam estão mudando. Essas plataformas avaliam as maneiras das quais os estudantes fazem as provas e indica aos tutores quais dificuldades de cada aluno e como ajuda-lo a sintetizar o conteúdo. Empresas como a americana Knewton, usam o big data para sua plataforma adaptativa e estão mudando o conceito de educação. Este estilo personalizável de educação permite inspirar os alunos na busca de conhecimento e assim encaminha-lo em áreas nas quais eles acreditam que devam seguir suas carreiras, sem imposições de mestres ou pais. No Brasil, temos a empresa Geekie Games, ela é uma plataforma brasileira de ensino adaptativo, que oferece ensino personalizado por meio de games para ajudar estudantes a se prepararem para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Depois que cada estudante realiza os simulados on-line, os algoritmos vão identificar suas necessidades e dificuldades, a melhor maneira de ensiná-lo e apresentar essas informações para que o professor também possa adaptar suas aulas. A plataforma já conta com a adesão das secretarias de educação do Acre, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Pará e Pernambuco. Outras iniciativas são como a plataforma Khan Academy, que possui mais de 1 milhão de vídeo aulas e que já foram realizados 1,6 bilhão de exercícios online, e que diz na pagina inicial: “Sem anúncios, sem assinaturas. Não visamos ao lucro, porque acreditamos em uma educação de alta qualidade e gratuita para qualquer pessoa, em qualquer lugar.”

Mas com tudo isso disponível e gratuito, a maioria das escolas em todos os lugares do mundo ainda mantém o sistema do século 19. As escolas que quebram estes paradigmas e respeitam a individualidade de cada aluno, podem mudar a maneira das quais se formam os futuros profissionais e como eles enfrentarão um mercado dinâmico e competitivo. As escolas que usarem o sistema antigo, como diria a musica do Pink Floyd estarão formando: “Another Brick In The Wall” ou “Outro tijolo na parede”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s